AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DO PARICÁ (Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber ex Ducke) Barneby) INOCULADO COM FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES

Autores

  • Aline Franco
  • Andréa Mello
  • Gustavo Oliveira

Palavras-chave:

Agricultura familiar, Insumos biológicos, Sustentabilidade

Resumo

Os fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) podem ser usados como estratégia na promoção da conservação ambiental. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento do paricá (Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber ex Ducke) Barneby), inoculado com fungos micorrízicos arbusculares (FMAs), a fim de propor tecnologia de produção de mudas de qualidade, racionalizando o uso dos recursos naturais, como o uso de insumos químicos. As mudas foram produzidas em casa de vegetação com 4 tratamentos (Testemunha, Inoculado, Químico e Vermicomposto) em um delineamento inteiramente casualizado com 10 repetições, totalizando 40 vasos. Para a inoculação, foram utilizados mistura de fungos micorrízicos das espécies Glomus clarum e Gigaspora margarita. As mudas foram avaliadas aos 90 dias após a germinação, quanto a taxa de sobrevivência, a altura, diâmetro do coleto, número de folhas, massa fresca e seca da parte aérea, massa fresca e seca da raiz e dependência micorrízica. A inoculação com fungos micorrízicos arbusculares foi eficiente para promover maior crescimento e desenvolvimento das mudas de Paricá, seguida do tratamento com vermicomposto, comprovando a hipótese deste trabalho, que a produção de mudas com insumos biológicos constitui-se em uma tecnologia de produção sustentável. O Paricá apresentou dependência micorrízica de 50,21% sendo considerado altamente dependente para o seu desenvolvimento.

Downloads

Publicado

2017-06-20

Como Citar

Franco, A. ., Mello, A. ., & Oliveira, G. . (2017). AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DO PARICÁ (Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber ex Ducke) Barneby) INOCULADO COM FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES. ENCICLOPEDIA BIOSFERA, 14(25). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/839