MONITORAMENTO DE FAUNA NA LINHA DE TRANSMISSÃO 500 kV COLINAS – SÃO JOÃO DO PIAUÍ

Autores

  • Debora Verardo
  • Gabriela Oliveira
  • Naiany Silva

Palavras-chave:

Anfíbios, Aves, Répteis

Resumo

Desde a descoberta da energia elétrica, esta é considerada um bem essencial para todas as áreas, como saúde, comércio e residências, a qual para a transmissão se faz necessária a implantação de Linhas de Transmissão. Entretanto, mesmo sendo de grande importância a transmissão, deve-se conhecer e mitigar os impactos ao meio ambiente. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo monitorar nas fases prévia, de implantação e operação do empreendimento Linha de Transmissão 500 kV Colinas – São João do Piauí o impacto desse empreendimento sobre a fauna local. Para o monitoramento de fauna foram considerados os grupos Avifauna e Herpetofauna que foram monitoradas entre os anos de 2011 e 2013 por seis campanhas a campo em quatro regiões previamente selecionadas. Todas as regiões foram divididas em duas unidades amostrais para o monitoramento dos impactos em ambos lados da linha de transmissão. Para a coleta de dados da herpetofauna foram utilizados os métodos de armadilhas de interceptação e queda e transectos de amostragem visual. Para a avifauna os métodos utilizados foram contagem de pontos fixos e captura por redes de neblina ornitológicos. Os resultados indicaram que 85% da riqueza de aves nas fases prévias se mantiveram na operação do empreendimento e aumento na diversidade de espécies de répteis e anfíbios de 87 espécies encontradas na fase prévia para 104 espécies na fase de operação. De modo geral, a diversidade encontrada foi significativa consideranda as características da região, sendo fundamental esforços e investimentos voltados a preservação das espécies detectadas. 

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

Verardo, D. ., Oliveira, G. ., & Silva, N. . (2020). MONITORAMENTO DE FAUNA NA LINHA DE TRANSMISSÃO 500 kV COLINAS – SÃO JOÃO DO PIAUÍ. ENCICLOPEDIA BIOSFERA, 17(33). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/676