USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

Autores

  • Marcio Koetz
  • Rodrigo Santos
  • Normandes Silva
  • Christian Cabacinha
  • Wendy Ferreira

Palavras-chave:

estiagem, captação de água, construções rurais

Resumo

O Rio Grande do Sul é privilegiado em precipitações anuais. Todavia, normalmente têm-se chuvas concentradas, reduzindo as precipitações durante o verão, período este de altas temperaturas. A captação e o armazenamento de água de chuva como água potável ou para uso na agricultura não é uma idéia nova, mas é praticamente inexplorada pelos governantes do Rio Grande do Sul. O uso de cisternas neste Estado é útil para captar a água proveniente de elevadas precipitações durante um período curto e utilizá-la nos períodos de estiagem. Para a construção de cisternas deve-se ter a precipitação média anual do local de instalação, além da área superficial para escoamento da água a ser armazenada. Nesse trabalho foi proposta uma simulação, considerando uma casa com duas águas, com um telhado de 84 m2. Neste caso, foi arbitrado para cada água, dimensões de 4 m de largura por 10,5 m de comprimento. Para uma precipitação pluviométrica média anual como a da região de fronteira no Rio Grande do Sul, de 1299 mm, a cisterna é uma estrutura que poderá ser utilizada para armazenar a água com grande eficiência.

Downloads

Publicado

2010-03-30

Como Citar

Koetz, M. ., Santos, R. ., Silva, N., Cabacinha, C. ., & Ferreira, W. . (2010). USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL . ENCICLOPEDIA BIOSFERA, 6(09). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/4786

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 > >>