FISIOPATOLOGIA DO ESTRESSE OXIDATIVO APÓS ISQUEMIA E REPERFUSÃO CEREBRAL E POTENCIAL NEUROPROTEÇÃO DO PEQUI (CARYOCAR BRASILIENSE)

Autores

  • Marina Miguel
  • Liliana Menezes
  • Eugênio Araújo

Palavras-chave:

antioxidantes, compostos fenólicos, isquemia e reperfusão, sistema nervoso central

Resumo

As doenças vasculares cerebrais isquêmicas ocorrem em 85 a 90% dos casos e
representam uma importante causa de mortalidade no país, sendo ainda
responsáveis por consideráveis índices de morbidade. Então, a investigação da
fisiopatologia dos mecanismos envolvidos na lesão neuronal e endotelial isquêmica
é essencial para projetar novos métodos terapêuticos para a prevenção e tratamento
dessas doenças. Diversos mecanismos encontram-se envolvidos na fisiopatogênese
da lesão secundária à isquemia e reperfusão, o principal é a formação de espécies
reativas do oxigênio. Em condições fisiológicas, seus efeitos tóxicos podem ser
prevenidos por algumas enzimas antioxidantes endógenas, e também por outros
antioxidantes não-enzimáticos. No entanto, quando a produção se torna excessiva, o
estresse oxidativo pode ter um efeito deletério na função e integridade estrutural de
tecidos biológicos. Sendo assim, o uso de antioxidantes exógenos, principalmente
naturais, tem sido cada vez mais indicado para a prevenção dessas lesões. Então,
esta revisão visa elucidar os aspectos fisiopatológicos da isquemia e reperfusão
cerebral e a potencial ação antioxidante do pequi do cerrado como futuro método
terapêutico.

Downloads

Publicado

2012-11-30

Como Citar

Miguel, M. ., Menezes, L. ., & Araújo, E. . (2012). FISIOPATOLOGIA DO ESTRESSE OXIDATIVO APÓS ISQUEMIA E REPERFUSÃO CEREBRAL E POTENCIAL NEUROPROTEÇÃO DO PEQUI (CARYOCAR BRASILIENSE) . ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 8(15). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/3761

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>