PRODUTIVIDADE DO MILHO CULTIVADO EM SUCESSÃO A CROTALÁRIA, MILHETO E BRAQUIÁRIA NO CERRADO MINEIRO

Autores

  • José Luiz Torres
  • Marcos Pereira
  • Matheus Cunha
  • Dinamar Márcia Vieira
  • Eduardo Rodrigues

Palavras-chave:

cobertura do solo, resíduos vegetais, taxa de decomposição

Resumo

A produção de fitomassa e a decomposição de seus resíduos têm sido afetadas pela
variabilidade das condições climáticas, época de semeadura, manejo adotado das
plantas de cobertura e influenciado a produtividade das culturas no Cerrado. Neste
estudo avaliou-se a produção de fitomassa, taxa de decomposição dos resíduos
vegetais das coberturas do solo e a produtividade do milho cultivado em sucessão,
em Uberaba, MG. Com delineamento de blocos ao acaso, utilizou-se cinco
coberturas do solo: crotalária, milheto cultivares ADR300, ADR500 e ENA2, e
braquiária em parcelas de 126 m2
(7,0 x 18,0 m), com cinco repetições. Após a
dessecação foi semeado milho sobre os resíduos vegetais das culturas. Observouse que o milheto ADR300 apresentou a maior e a crotalária a menor produção de
fitomassa seca e tempo de meia vida; a decomposição dos resíduos vegetais foi
influenciada pela precipitação ocorrida no período; a produtividade do milho foi maior
quando a cultura foi cultivada sobre os resíduos de milheto ENA2.

Downloads

Publicado

2014-07-01

Como Citar

Torres, J. L. ., Pereira, M. ., Cunha, M. ., Vieira, D. M., & Rodrigues, E. . (2014). PRODUTIVIDADE DO MILHO CULTIVADO EM SUCESSÃO A CROTALÁRIA, MILHETO E BRAQUIÁRIA NO CERRADO MINEIRO . ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 10(18). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2858

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)