PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE SILAGENS DE RESÍDUOS DE PEIXES COMERCIALIZADOS NO MERCADO PÚBLICO DE PARNAÍBA - PI

Autores

  • Marcelo Nascimento
  • Karla Fernanda Freitas
  • Marlene Silva

Palavras-chave:

Composição química, formulação, subprodutos

Resumo

O presente estudo teve como objetivo avaliar a utilização de resíduos de peixe
(nadadeiras, cabeça, vísceras e escamas), por meio de três métodos de formulação
de silagens: ácido, biológicas e enzimáticas. Os resíduos foram previamente
tratados, aquecidos durante 45 minutos a 105 ° C, e em seguida dividido em três
lotes, em que o primeiro recebeu 1,5 % de sal , 12 % (v/w) de ácido acético glacial, o
segundo 6 % de iogurte natural e 12 % de açúcar, e o terceiro 1,6 mL de enzima
protease comercial. O processo de ensilagem foi realizado sob temperatura
ambiente e diariamente feita monitorização de pH e temperatura. A composição
química das silagens foram submetidos à análise de variância e comparadas pelo
teste de Tukey (P < 0,05 ). O rendimento das silagens foi de 54,44% para a silagem
ácida, 73,69% para a biológica e 72,82% para a enzimática sendo mais expressivo
na silagem biológica. A silagem ácida apresentou os menores níveis de pH variando
de 4,08±0,33 nos primeiro dias para 3,82±0,04 no trigésimo quinto dia e os maiores
de temperatura 28,23°C no primeiro dia para 30,22 °C do sétimo ao décimo dia. A
composição centesimal revelou diferenças significativas entre as formulações sendo
os valores mais expressivos para proteína na silagem ácida (46,07%), umidade
(4,50%) e lipídeos na enzimática (9,46%). Indicando que a elaboração de silagem
ácida de resíduos de peixes oriundos de mercado publico pode ser uma forma
correta de seu aproveitamento, gerando um produto de qualidade.

Downloads

Publicado

2014-07-01

Como Citar

Nascimento, M. ., Freitas, K. F. ., & Silva, M. . (2014). PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE SILAGENS DE RESÍDUOS DE PEIXES COMERCIALIZADOS NO MERCADO PÚBLICO DE PARNAÍBA - PI. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 10(18). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2854