MÉTODO DE QUEBRA DE DORMÊNCIA E GERMINAÇÃO DE SAMAÚMA BRAVA (Cochlospermum orinocense (Kunth) Steud.) E A MUTAMBA (Guazuma ulmifolia Lam.)

Autores

  • Marcílio Ferreira
  • Josiane Carvalho
  • Alisson Reis

Palavras-chave:

essências florestais, germinação, tecnologias de sementes

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a germinação e a quebra de dormência de
duas essências florestais com potencial para composição em sistemas agroflorestais.
Para isso foi selecionado as espécies sumaúma brava (Cochlospermum orinocense
(Kunth) Steud.) e a mutamba (Guazuma ulmifolia Lam.), e avaliadas em três
temperaturas (25, 30 e 35 °C) e três métodos de que bra de dormência (água à 90 °C,
ácido sulfúrico P.A. e escarificação mecânica). A samaúma o ácido respondeu melhor
em todas as temperaturas testadas para o índice de velocidade de germinação (IVG).
Enquanto que não houve diferença significativa para as temperaturas e métodos de
quebra de dormência para o tempo médio e porcentagem de germinação. Para a
mutamba o método de escarificação mecânica foi a metodologia para quebra a
promoção da embebição, quanto ao IVG. Com isso para a espécie samaúma observouse melhor desenvolvimento a temperatura do ar com valor médio de 30 °C, com método
de quebra de dormência com imersão em ácido sulfúrico por cinco minutos; Para a
espécie Mutamba melhores médias foram encontradas a temperatura de 35 °C com o
método de água quente e ácido sulfúrico por cinco minutos.

Downloads

Publicado

2014-07-01

Como Citar

Ferreira, M. ., Carvalho, J. ., & Reis, A. . (2014). MÉTODO DE QUEBRA DE DORMÊNCIA E GERMINAÇÃO DE SAMAÚMA BRAVA (Cochlospermum orinocense (Kunth) Steud.) E A MUTAMBA (Guazuma ulmifolia Lam.). ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 10(18). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2826