AJUSTE DE MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA ÁRVORES DE Tectona grandis L.f. NO MUNICÍPIO DE MOJÚ, PARÁ

Autores

  • Kaléo Pereira
  • Marcos Victor Paixão
  • Charles Monteiro
  • Felipe Laurido
  • Paulo Sergio Ferreira

Palavras-chave:

Análise de regressão, inventário florestal, relação hipsométrica, teca

Resumo

Objetivou-se neste trabalho ajustar e comparar modelos hipsométricos para
selecionar uma equação adequada para estimar a altura de um plantio de Tectona
grandis com 13 anos de idade. Para tanto, foi feito um inventário em um plantio
seminal de teca localizado no município de Mojú, Mesorregião Nordeste do Estado
do Pará. Foram estabelecidas três parcelas de 300 m², resultando em 113 indivíduos
medidos. Por meio de uma pesquisa na literatura, 11 modelos hipsométricos foram
pré-selecionados e ajustados através do software Statistica. Na avaliação da
qualidade do ajustamento das equações, considerou-se o coeficiente de
determinação ajustado (R²aj), erro padrão da estimativa em porcentagem (Syx%),
desvio médio percentual (DMP) e o valor do teste F. A seleção da melhor equação
foi feita com base no menor valor ponderado dos escores dos parâmetros
estatísticos (VP), seguida da análise gráfica da distribuição dos resíduos para
ratificar a confiabilidade do modelo eleito. Em geral, os modelos ajustados tendem a
superestimar a altura da teca. Com exceção das equações 8 e 11, houve pouca
variação entre os modelos em relação às medidas de precisão. O modelo Ht =
(DAP/(β0 + β1/DAP + β2DAP2))2
+ εi apresentou o melhor ajustamento, destacandose pelo maior coeficiente de determinação, melhor desvio médio percentual e por não ser tendencioso, sendo, portanto, mais indicado para estimar a altura total da
Tectona grandis.

Downloads

Publicado

2014-07-01

Como Citar

Pereira, K. ., Paixão, M. V. ., Monteiro, C. ., Laurido, F. ., & Ferreira, P. S. (2014). AJUSTE DE MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA ÁRVORES DE Tectona grandis L.f. NO MUNICÍPIO DE MOJÚ, PARÁ . ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 10(18). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2651