ZONAS DE AUTODEPURAÇÃO EM CÓRREGO DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA

Autores

  • Evaldo Ferreira
  • Lucas Lôbo
  • Aline Cardoso
  • Michel Andraus
  • Alisson Moreira

Palavras-chave:

Qualidade da água, Sistemas ambientais, Saneamento em áreas de invasão

Resumo

A manutenção das Áreas de Preservação Permanente (APP) é algo preconizado em
lei nacional. Entre outras funções, estas são responsáveis por estabelecer o fluxo
gênico entre as diferentes espécies animais. O Córrego Pedreira é um dos tributários
do Ribeirão João Leite e localiza-se na região norte de Goiânia. Possui histórico de
ocupação degradante em suas margens. Os efluentes advindos das construções
estabelecidas na Área de Preservação Permanente (APP) trouxeram ao longo dos
anos a contaminação da água. Coletou-se amostra de água e os experimentos
foram feitos no laboratório de Efluentes Domésticos do Instituto Federal de GoiásCampus Goiânia, um, para o conhecimento da Demanda Bioquímica de Oxigênio
(DBO), e outro, para o Oxigênio Dissolvido (OD) da água. Logo após a vazão do
córrego foi determinada com o método do flutuador. Os dados foram plotados e dois
cenários construídos, onde no primeiro não existia a presença de uma estação para
tratar o efluente bruto despejado, e no segundo o dispositivo estava presente. A
eficiência calculada para a estação foi igual a 86,94%. Através do gráfico feito no
segundo cenário, observou-se que o corpo receptor começou a se recuperar do
despejo a uma distância de 22.000m do emissário, sendo sua capacidade de
autodepuração tida como razoável.

Downloads

Publicado

2014-12-01

Como Citar

Ferreira, E. ., Lôbo, L. ., Cardoso, A. ., Andraus, M. ., & Moreira, A. . (2014). ZONAS DE AUTODEPURAÇÃO EM CÓRREGO DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 10(19). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2473

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2