O CÁLCIO MINIMIZA O ESTRESSE POR ALÚMINIO EM MUDAS DE ABÓBORA?

Autores

  • Aglair Alves
  • Sergio Gonzalez
  • Fábio Jesus
  • Daniela Velame
  • Anacleto Santos

Palavras-chave:

crescimento inicial, interação Al e Ca, solução nutritiva, toxidez de alumínio

Resumo

A produtividade das culturas pode ser reduzida pela presença do alumínio no solo
que provoca sintomas de toxidez nas plantas, a utilização do cálcio como alternativa
para redução dos efeitos maléficos causados pela presença do alumínio em plantas
tem sido apontada como uma solução para o problema. Diante disso, o objetivo do
estudo foi avaliar o efeito de doses de cálcio na presença e na ausência de Al em
solução nutritiva no crescimento inicial de plantas de aboboreira. O experimento foi
conduzido em casa de vegetação, em delineamento inteiramente casualizado, com
quatro repetições, em esquema fatorial 5 X 2, sendo cinco doses de cálcio (0; 100;
200; 300 e 400 mg.L-1) e duas doses de alumínio (0; 54 mg.L-1). Foram avaliadas
as seguintes variáveis: altura da parte aérea, comprimento e volume de raiz,
diâmetro da haste e número de folhas, clorofila a e b e área foliar. Com auxilio do
software Visual MINTEQ foi determinada a percentagem de alumínio, fósforo e cloro
na solução nutritiva. o Cálcio (117 a 251 mg L-¹) propicia a redução dos efeitos
deletérios do alumínio em mudas de abóbora.

Downloads

Publicado

2014-12-01

Como Citar

Alves, A. ., Gonzalez, S. ., Jesus, F. ., Velame, D. ., & Santos, A. . (2014). O CÁLCIO MINIMIZA O ESTRESSE POR ALÚMINIO EM MUDAS DE ABÓBORA? . ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, 10(19). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2368

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>