COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA EM ÁREAS DE PASTAGENS NO PROJETO DE ASSENTAMENTO ASSURINI, EM ALTAMIRA, PARÁ

Autores

  • Cláudia Cordeiro
  • Maysa Araújo
  • Paulo Silva
  • Laio Silva
  • Maristela Silva

Palavras-chave:

árvores, espécies botânicas, pecuária

Resumo

Nas últimas décadas, a pecuária baseada em pastagens tem sido uma das principais atividades econômicas da Amazônia. No entanto, a supressão vegetal para formação das pastagens, a falta de manejo ou o manejo inadequado contribuem para redução das árvores e desenvolvimento de plantas espontâneas, podendo causar prejuízos e degradação. Objetivou-se com este trabalho realizar um levantamento das espécies de árvores e plantas espontâneas ocorrentes em áreas de pastagens de Urochloa brizantha Stapf em propriedades localizadas no município de Altamira, PA. O trabalho foi desenvolvido em três propriedades localizadas no Projeto de Assentamento Assurini em maio de 2016, em cada propriedade foram instaladas duas parcelas com dimensões de 25x20 metros (500 m²), cada. As plantas presentes nas parcelas foram organizadas nas categorias de ervas, arbustos, árvores, lianas e palmeiras. A identificação foi baseada no ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP IV (2016) e consulta a bibliografia especializada. Foram identificadas 49 espécies, distribuídas em 40 gêneros e pertencentes a 19 famílias botânicas. As 5 famílias botânicas de maior número de indivíduos foram Fabaceae, Asteraceae, Lecythidaceae, Lamiaceae e Salicaceae. As espécies de maior ocorrência foram a Geniparana (Gustavia augusta L.), Malícia (Mimosa pudica L.), Hortelã bravo (Hyptis atrorubens Point), Pata de vaca (Bauhinia forticata Link), Goiaba (Psidium guayava L.), Malva roxa (Urena lobata L.), Fedegoso (Senna hirsuta (Benth.) H.S. Irwin & Barneby), Maria fecha porta (Mimosa policarpa Kunth), Joá bravo (Solanum viarum Dunal) e Malva branca (Waltheria indica L.). Quanto ao hábito de crescimento 45,32% são árvores, 27,68% são ervas, 24,22% são arbustos, 2,07% palmeiras arborescentes e 0,69% lianas. As árvores foram representativas na área de estudo e destaca-se a importância de conservá-las nas pastagens, pois além de fornecer sombra ao gado bovino, controlam a erosão, melhoram a fertilidade do solo e retenção de água, contribuindo significativamente para evitar a degradação das pastagens.

Downloads

Publicado

2020-12-26

Como Citar

Cordeiro, C., Araújo, M., Silva, P., Silva, L., & Silva, M. (2020). COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA EM ÁREAS DE PASTAGENS NO PROJETO DE ASSENTAMENTO ASSURINI, EM ALTAMIRA, PARÁ. ENCICLOPEDIA BIOSFERA, 17(34). Recuperado de https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/2067

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)